Zakk Wylde e Andreas Kisser no Altas Horas

Há pouco mais de duas semanas, todos os fãs e curiosos de Black Label Society,  Zakk Wylde e também de Andreas Kisser, que falam muito mal da Globo e de todo o sistema, resolveram assistir ao programa Altas Horas só pra ver os caras lá.

Zakk Wylde e Andreas Kisser no Altas Horas

HAÁ pegadinha do Malandro: foi anunciado em diversos sites mas a tal entrevista não passou no programa! Ok, mal entendido resolvido, muitos sites esclareceram que o programa havia sido gravado somente, mas que iria passar na madrugada do dia 8 dedezembro. Depois de um pouco de reboliço na rede, fãs putinhos estavam acalmados, prontos para ver os barbudos no ar dia 8 então.

Dia 8 chegou e uhuul, anunciaram mesmo os caras lá, algo impensado para o programa mas a Globo conseguiu, e depois de mais de uma hora de programa eles foram chamados ao palco. Bom, Serginho Groisman passou a bola para Andreas Kisser, para ele entrevistar Zakk, e ele o fez. Falaram que o Zakk está na banda Black Label Society, que há rumores de ele se reunir à extinta Pantera, o que seria uma honra para ele (conforme o mesmo). Andreas falou por 10 segundos de como conheceu Zakk, em uma turnê do Ozzy em 1991 em que o Sepultura fez os shows de abertura, Zakk fez uma piadinha com Andreas, o tempo todo mal olhou para o Serginho, os convidados e toda a plateia, claramente desconfortável no ambiente, e junto a Andreas fizeram uma jam session de Jimmy Hendrix, Red House. E saíram do palco, devem ter ficado uns 5 minutos no ar.

Daí eu e todos os que viram o programa e conhecem o trabalho dos caras pensaram: QUE PORRA FOI ESSA?! Sério, não entendi o que foi aquilo. Na hora até pensei “naão, eles vão voltar ainda, não pode ter sido só isso!” mas foi… Não fez nem sentido eles tocarem Hendrix ali, não que não pudessem, afinal Hendrix foi O cara, mas por que não tocaram algo de Black Label Society, Sepultura, ou até mesmo Ozzy, sendo que o Zakk compôs junto ao mestre comedor de morcegos várias músicas incríveis???

 

Muitos rockeiros reclamam que o rock DE VERDADE não tem espaço na mídia, mas as vezes a mídia tenta trazer esses caras pro meio popular, e simplesmente não rola. Assim como levar a plateia do programa Altas Horas, seus convidados e seu apresentador a um bar de motociclistas, a cena também não vai casar.

Mas por quê? Só porque são diferentes? Poxa, todos são diferentes, há mil tribos diferentes por aí, nas cidades grandes principalmente, se vê de tudo. E por que as pessoas, em uma cidade tão grande e multicultural como São Paulo, ainda olham estranho quando, num programa popular, entra um barbudão grandão mal encarado parecendo um motociclista bravo porque roubaram a sua cerveja? Dava pra ver como o Zakk estava desconfortável ali, pois o cara costuma ser simpático, olhar pra plateia, fazer uma piadinha aqui e ali. Eu já fui a um show do BLS, fiquei na grade e vi de perto como ele e a banda são atenciosos!

Uma vez, porém, estava em um bar, aniversário de uma amiga, e iria em um show depois, em outro bar não muito longe dali, e a chamei de última hora pra ir junto comigo e meus amigos depois ao show. Ela aceitou, super animada, e fomos. Bom, o show em questão era Motorocker, num pubzinho característico de “malárias”, como eles mesmos chamam os fãs, e minha amiga estava usando uma blusa cor de rosa toda fofa e brilhante, ela estava toda fofa. E praticamente todas as pessoas, antes de começar o show, olhavam estranho pra ela como se ela fosse uma fada purpurinada no meio de morcegos, e ela estava se sentindo mal com isso, querendo correr pra casa colocar uma camiseta preta e voltar pro show, como se isso fosse um pré-requisito! Poxa, justo esse povo que reclama da discriminação da sociedade com os rockeiros, ficam olhando estranho pra uma garota só porque ela não está vestida como eles?

Todos falam que o preconceito e a discriminação são horríveis e tudo o mais, mas sem querer acabam fazendo, é inevitável, e eu não me excluo disso também!

Zakk Wylde e Andreas Kisser no Altas Horas 2

As vezes não é uma questão de discriminação, mas simplesmente de se sentir confortável ou não no ambiente, mesmo que os outros não te olhem estranho. Talvez tenha sido impressão minha também, e o Zakk nem estivesse tão desconfortável assim no programa, mas sendo sincera, eu achei tudo aquilo muito estranho.

Enfim, a mídia tentou trazer o rock para o publico geral, e não rolou, prova disso é que nem divulgar o próprio trabalho dele ele fez, sabe-se lá o motivo… E outra, o tipo de rock que o Brasil popularmente gosta é Jota Quest, Capital Inicial, NX Zero, Pitty, etc, não será um Zakk Wylde num programa como Altas Horas que irá mudar o gosto das pessoas. E é até melhor assim, porque quem gosta desse tipo específico, gosta mesmo, com exceção dos posers que estão em todos os lugares, não somente porque está tocando nas rádios e está popular na mídia.

Esse tipo de rock não precisa tanto assim desse tipo de mídia, já se divulga sozinho, há coisas que não se misturam mesmo, não adianta. Mas da pra tentar olhar de forma mais aberta e amistosa para coisas novas, tanto o barbudo mal encarado no programa popular, como a fadinha purpurinada no meio dos morcegos  ;D

ass bruna foto

Anúncios
Esse post foi publicado em Crítica, Música e marcado , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário :)

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s